Sunday, July 21st, 2024

Batalha de Dragões em “House of the Dragon”: Episódio 4 da Temporada 2

O episódio de domingo à noite de “House of the Dragon” foi um dos mais intensos até agora, com uma sequência de dragões que rivalizou até mesmo com o trágico final da primeira temporada. Como naquela cena, que viu a morte do jovem Lucerys, foi mais uma vez Aemond (Ewan Mitchell) e seu monstruoso dragão, Vhagar, que trouxeram destruição.

A batalha de dragões desta noite foi uma cena memorável no livro “Fogo e Sangue” de George R.R. Martin, mas mais uma vez a versão da série difere bastante, embora, assim como no caso de Aemond e Lucerys, eu realmente goste bastante da mudança. Chegaremos a isso em breve.

Este foi um episódio muito ruim para o Rei Aegon (Tom Glynn-Carney), que percebe durante uma reunião do seu Pequeno Conselho, que Aemond e o Sor Criston Cole (Fabian Frankel) têm coordenado o esforço de guerra sem ele. Indignado, ele tenta ordenar que eles não ataquem o castelo de Rook’s Rest. Harrenhal é o prêmio que ele quer. Seu Mestre dos Sussurros, Sor Larys Strong — o senhor de Harrenhal — diz-lhe que o castelo está “mais debilitado do que eu” e só servirá para confundir Daemon (Matt Smith). Aemond diz ao irmão mais velho que é tarde demais para cancelar o ataque a Rook’s Rest. Cole está se preparando para atacar.

Aemond fala com seu irmão em valiriano para que ninguém mais na sala os entenda. Ele é claramente fluente e bem-praticado; a resposta quebrada do irmão no final mostra que ele não é. Aemond zomba do irmão. Enquanto ele estava ocupado brincando de rei, nomeando bajuladores para a Guarda Real e assim por diante, Aemond estava planejando a guerra.

Petulante, Aegon corre para sua mãe em busca de consolo. “Eles não me ouvem!” ele exclama. O que ele poderia possivelmente dizer que eles deveriam ouvir, sua mãe responde com desprezo. “Você acha que usar a coroa de repente lhe dá sabedoria?” ela pergunta. Suas palavras ferem ainda mais do que as do irmão.

“O que você gostaria que eu fizesse?” ele implora. Ela lhe diz a única coisa que ele pode fazer: Nada. É demais para o jovem rei impulsivo. Mais tarde, ele reflete sobre a indignidade de tudo isso antes de finalmente decidir levar seu dragão Sunfyre e ir para Rook’s Rest para ajudar sua Mão na batalha. O que ele não sabe é que Cole e Aemond prepararam uma armadilha cuidadosa para quaisquer dragões que os Negros enviem para frustrar o ataque dos Verdes no forte à beira-mar.

A tensão e os conflitos internos dentro da facção dos Verdes continuam a aumentar, prometendo mais drama e batalhas épicas nos próximos episódios. Fique atento para ver como essa história se desenrola e quais serão as consequências das decisões imprudentes de Aegon e das estratégias astutas de Aemond e Cole.